Avalon


Avalon, esse reino perfeito de amor e beleza, continua sendo a busca constante de todo o ser humano que, apesar de todas as desilusões, ainda tem a esperança de fazer deste mundo uma lenda real, ou seja, um lugar melhor para se viver.
Antigos manuscritos irlandeses evocam alguns nomes para Avalon, são eles: Tir na Nog, o País da Juventude; Tir Innambeo, o País dos Viventes; Tir Tairngire, o País da Promessa; Tir Naill, o Outro Mundo; Mag Mar, a Grande Planície ou Mag Mell.
Entre as populações de origem céltica, a maçã representa o conhecimento, a revelação e a magia. Existem vários relatos referentes às viagens célticas ao Além, Immram, as jornadas místicas, nas quais um herói é atraído por uma fada, que lhe entrega um ramo de maçã e o convida para ir para o Outro Mundo, como em A Viagem de Bran, Filho de Febal. Num outroImmram, A Viagem de Maelduin, que trata da busca do herói pelos assassinos de seu pai, ele passa por uma ilha onde encontra uma macieira e dela corta um ramo com três maçãs. Estes frutos são capazes de saciar a sua fome e a de seus companheiros por quarenta dias sem ingestão de qualquer outro alimento. (Jean Markale, 1979:246)

 


A Ilha das Maçãs também recebe o nome de Ilha Afortunada porque ali há todo tipo de vegetação natural. As colheitas são abundantes e os bosques estão cobertos de maçãs e uvas. Avalon era governada por Morgana e suas nove irmãs, que também possuíam o dom da imortalidade. Avalon está associada a Caer Siddi, o Outro Mundo ou Annwn, a Terra dos Mortos e da Eterna Juventude.
Existia em Caer Siddi uma fonte onde jorrava vinho doce e onde envelhecimento e doença eram desconhecidos. Entre os seus tesouros havia um caldeirão mágico, tema diretamente ligado à abundância existente na Ilha das Maçãs. (Ellis, 1992: 25; Geoffroy de Monmouth, Vita Merlini e Jean Markale, L'épopée Celtique en Bretagne).
Na mitologia céltica existem dois tipos de caldeirão: o caldeirão do renascimento e o caldeirão da abundância. Dagda, pai de todos os Deuses, possuía um caldeirão proveniente da cidade de Múrias. Ao provar dele, ninguém passava fome, (Ellis, 1992:77). Já Matholwch recebera o caldeirão do renascimento do Deus Bran e com ele era possível ressuscitar um morto, mas que perdia a capacidade de falar. (Mabinogion, 1988: 31).
Havia ainda um terceiro caldeirão entre os celtas, o caldeirão do sacrifício, no qual os maus monarcas eram jogados. É possível observar aqui, um sentido totalmente diferente dado à figura régia, que tem principalmente a tarefa de estabilizar a sociedade e que é descartada quando não cumpre bem suas funções. O monarca é mais um “moderador ou distribuidor de riquezas que um detentor de poderes civis e militares”. Representa um garantidor da abundância, sendo o rei que sobrecarrega os súditos de impostos, sacrificado, afogado numa tina de cerveja ou hidromel. (Le Roux e Guyonvarc'h, 1993:63)
O tema do caldeirão, mais tarde, deu origem ao mito do Graal, inicialmente nas obras de Chrétien de Troyes. Com a sua cristianização em fins do século XII, o conteúdo do cálice passou a ser o sangue de Cristo na cruz. Sangue, o conhecimento, o alimento da alma.

 
A propósito da temporalidade do Outro Mundo, representada pela Insula Pomorum, é interessante observar que a passagem do tempo não é percebida pelos humanos que para lá vão, como pode ser visto nos relatos sobre Bran, Guingamor e Santo Amaro. (Le Goff, 93)
Por isso, as brumas obedecem apenas aos que servem ao princípio maior dos Deuses, o equilíbrio da unidade que está dentro de cada um de nós. A lenda se torna realidade, mas o medo, como sempre, é o grande desafio daqueles que estão na travessia deste portal mágico, para desvendar os segredos do Outro Mundo.
O templo é o nosso mundo interior, o altar é a ponte que nos liga as divindades e somente nós podemos escolher adentrar dentro dele. Apenas aqueles que compreenderem que a vida é infinita em suas possibilidades poderão abrir suas portas.
Não se iluda com devaneios desnecessários, pois a vida é sábia e sempre nos coloca em caminhos que irão modificar não apenas a nossa existência, mas toda a realidade que nos cerca.
Faça as escolhas do seu coração, alicerçadas no bom senso e na harmonia interior. Busque apenas aquilo que for melhor para si no momento presente. Avalon se apresenta nos corações daqueles que são sinceros e seguem o que lhes foi traçado pelos Deuses, mas como sempre, somos nós que tecemos o fio do nosso destino.
Nunca duvide daquilo que foi revelado. Tenham olhos abertos tanto à frente como atrás, pois os embusteiros geralmente moram dentro de nós.
Honrem o seu código, trabalhem sempre juntos para o bem de todos para que, finalmente, possamos nos reunir aos nossos irmãos e anciões que, com humildade e saber, nos auxiliam nessa trajetória. A Roda do Ano é a Roda do Tempo, que gira eternamente. A Luz da Deusa está em toda parte e nos chama, a todo instante, para o seu sagrado labor.
A espiritualidade está em tudo, cada qual com suas vivências e suas descobertas, trilhando caminhos que nos levam ao sagrado equilíbrio. Através da sensibilidade e da intuição começamos a discernir aquilo que é melhor e o que realmente faz a nossa alma feliz.
Não se preocupem com fórmulas mágicas, porque a vida só vale a pena ser vivida com todos os desafios necessários para o nosso crescimento espiritual, mesmo que hoje você não entenda, pois o caminho não tem volta, quanto mais aprendemos, mais somos cobrados e esse é o grande teste da iniciação de cada um.
Avalon é uma lenda que nos desperta para uma nova realidade ou uma nova percepção. É essencial nos religarmos à energia do amor e da sinceridade, sem competições desnecessárias. Lembrando que as mulheres viveram quase dois mil anos no casulo da ignorância e agora é hora de fazer valer a sua essência divina, nunca se esquecendo, é claro, que dentro da natureza tudo se completa e que os homens também são parte dela.
São as lendas e os mitos que tornam os nossos dias mais reais e cheios de magia. Sabemos que muitas lendas foram inventadas sobre o Rei Arthur, além do seu fim misterioso, assim como à respeito de Avalon existir ou não em uma outra dimensão.
Os fatos conhecidos são que o Rei Arthur viveu entre os séculos V e VI e liderou os bretões contra o avanço saxão no cerco da Colina de Badon. Alguns textos históricos sobre os anos de 400-550 d.C, com as datas aproximadas em que foram escritos, são:
*De Excidio Britanniae (Da Destruição da Bretanha) de Gildas
*Historia Brittonum (Histórias dos Bretões)
*Annales de Cambriae (Anais de Gales)

O folclore regional é repleto de referências sobre civilizações perdidas, como o povo ancestral dos Reinos do Mar de Atlântida, supostamente os ancestrais da Terra Antiga. São marcos característicos de certos locais: o Zodíaco de Glastonbury e o Caminho Espiral de Tor. Assim como as ilhas submersas de Ys e Lyonesse ou as Ilhas Abençoadas de Avalon e Camelot.
Nesse ponto existe uma linha muito tênue, onde dois mundos tão distintos se encontram. O Graal está relacionado à Pedra Filosofal, à Fênix e ao Caldeirão. O símbolo da Grande Mãe, a taça, o receptáculo da Deusa.
Analisando por esse princípio, Avalon é, com certeza, o seu representante direto, sendo suas sacerdotisas, as guardiãs dos segredos do caldeirão ou os segredos da tríplice divina. Esse é um assunto bastante polêmico, mas de grande importância, pois sua essência está ligada diretamente à descendência do sangue real ou ao despertar da consciência.
Podemos dizer que é o reencontro da unidade cósmica dentro do nosso templo sagrado, a nossa “sancta sanctorum”, ou seja, a nossa alma transmutando para uma nova realidade espiritual. Que assim seja!
 



FONTE: Rowena Arnehoy Seneween ®
Templo de Avalon - Paganismo, lenda e mitos

Avalon - Versões e Personagens

A Versão da Excalibur:

A Versão da Excalibur:
Conta essa versão que Uther Pendragon estava sendo perseguido por inimigos que lhe armaram uma emboscada e antes de morrer fincou a sua espada mágica numa pedra e disse que o próximo rei seria quem a retirasse desta pedra. Para satisfazer suas vontades de se transformarem em rei, todos os grandes...

—————

A Versão das Brumas:

A Versão das Brumas:
  Igraine foi forçada por Viviane a se deitar com Uther para que ele lhe fizesse um filho. Depois disso, Arthur foi dado a Ectório para ser criado como um bastardo, visto que ele fora feito enquanto Igraine ainda era mulher de Gorlois da Cornualha, e isso não seria aceito por seus súditos....

—————

Rei Arthur

Rei Arthur
  Arthur o rei é a personagem principal desta lenda, ele foi coroado aos 15 anos, após a cerimônia do Gamo rei, onde ganhou a Excalibur (sua espada mágica), existem duas versões para esta história. Que serão contadas mais adiante.Ele teve uma irmã (Morgana) e um irmão de criação (Caí), sua mãe...

—————

A Rainha Guinevere

A Rainha Guinevere
  Guinevere (ou Gwen) ainda era uma moça quando se casou. Ela foi aceita pelo rei sem ao menos conhecê-la, mais por causa do seu dote do que por qualquer outra coisa, Gwen trazia consigo 100 cavalos de guerra pesados e 100 soldados para montá-los. Arthur ao vê-la encantou-se pela moça que até...

—————

O Mago Merlim

O Mago Merlim
    Merlim era um título dado ao sacerdote mais graduado na religião antiga. O Merlim era como se fosse o representante masculino da Deusa, ele, juntamente com a Sacerdotisa de Avalon, formavam o elo entre a magia e os humanos. O Merlim, no início da lenda, é o Taliesin (aquele velho de...

—————

Morgana das Fadas

Morgana das Fadas
    Morgana era a irmã mais velha de Arthur. Filha de Igraine e Gorlois da Cornualha. Ela foi criada em Avalon como uma sacerdotisa, segundo as ambições de Viviane, sua tia, Morgana seria a próxima Senhora de Avalon, pois tinha a linhagem real e era muito aplicada à Deusa e aos seus...

—————

Viviane - A Senhora de Avalon

Viviane - A Senhora de Avalon
   Viviane é uma das grandes personagens da trama. Ela é irmã mais velha de Igraine e Morgause. Viviane teve dois filhos, Lancelot e Balam. Lancelot se tornou o mestre de guerra de Arthur e Balam era um dos cavaleiros do Rei. É a tia de Morgana e Arthur. Viviane é a fiel representante da...

—————

Igraine

Igraine
  Filha da Grande Sacerdotisa, irmã de Viviane(A Senhora do Lago) e de Morgause. Foi treinada para ser sacerdotisa, assim como a irmã mais velha, mas Viviane a entregou para Gorlois e este a fez sua esposa. Teve uma filha com Gorlois, Morgana e depois um filho com Uther, Arthur. Igraine,...

—————

O Amor Proibido entre Lancelot e Guinevere:

O Amor Proibido entre Lancelot e Guinevere:
 O amor nasceu numa visita de Lancelot ao reino do pai de Guinevere para se certificar que esta serviria para ser rainha da Grande Bretanha. Os dois se olharam e trocaram sorrisos.Depois de muitos anos, lancelot se casa se some de Camelot, mas com o seu retorno, Guinevere e ele novamente...

—————

Uther Pendragon

Uther Pendragon
  Rei que substituiu Ambrósio, era o capitão da guarda do rei, não sendo herdeiro por direito. Com a morte de Ambrósio, Uther, por ser o preferido, foi o escolhido. Ele foi leal ao povo e voltado para combates. Se apaixonou por Igraine, casada com Gorlois(Duque na Cornualha). Igraine também se...

—————

O Filho de Morgana

O Filho de Morgana
Mordred (ou Gwidion) era o filho de Morgana e Arthur, nascido da Cerimônia do Gamo Rei. Mordred foi criado em segredo longe dos olhos de Arthur por Morgause e aprendeu as artes da guerra em território saxão (os saxões eram inimigos do povo de Arthur, os bretões). Mordred voltou e se apresentou ao...

—————

A Távola Redonda

A Távola Redonda
  A Távola Redonda nada mais era do que uma mesa redonda que Arthur ganhou do pai de Guinevere em seu casamento (Aliás, Arthur se casou com Guinevere por causa de um dote de 100 cavalos de guerra pesados e 100 soldados cavaleiros). Após isso, com a criação de Camelot, Arthur mandou construir...

—————

A Criação de Camelot

A Criação de Camelot
Camelot era o reino do Rei Arthur e dos Cavaleiros da Távola Redonda. Ele foi criado depois que Arthur conseguiu expulsar os saxões de sua terra, ganhando com isso a aliança dos inimigos. Antes, Arthur morava no Castelo de Tintagel, onde era a base de seu reino. Em Camelot, Arthur construiu a sala...

—————

Os Anais da Páscoa

Os Anais da Páscoa
  A história do Rei Arthur e seus cavaleiros é realmente apaixonante, tanto que no século XII ainda havia derramamento de sangue de bretões e ingleses, sendo que os primeiros lutavam em nome de Arthur. Mas quem foi Arthur? Ele realmente existiu? Se existiu, por que toda sua história está...

—————


 

A Verdadeira Távola Redonda


Castelo de Winchester. Um grande salão, admirável na sua arquitetura, tem na parede central uma grandiosa mesa redonda, pendurada na parede. Esta mesa possui inscritos os nomes dos cavaleiros nos seus respectivos lugares. Diz a lenda que os nomes, escritos em ouro, são obra de um feitiço de Merlin, e estes nomes mudavam conforme os ocupantes da mesa.


 


 


 


 

 


Contatos

Portal Luz da Nova Era

Rio de Janeiro


 

Rainha Guinevere: traje medieval


As Deusas de avalon

Blodeuwedd, Arianrhod, Rhiannon, Cerridwen e Branwen

    Em Avalon existiam cinco faces da Deusa com que as sacerdotisas trabalhavam, embora várias delas continuaram a venerar as Deusas de suas terras junto com essas cinco Matronas. Nós achamos vestígios delas nos registros escritos...

—————



Avalon

O Chamado de Avalon

    A ilha sagrada de Avalon é linda e serena, mas somente para aqueles que preservam a sinceridade no coração. Além das brumas, a madrugada esmorece para dar lugar ao nascer do Sol, finalmente, a fonte sagrada da Deusa emerge através do tempo; invoco, com um suave canto, as ninfas...

—————

Merlin e suas profecias

Merlim é mais conhecido como o poderoso mago destacados na lenda arturiana. A representação padrão do primeiro caractere aparece na Geoffrey de Monmouth's Historia Regum Britanniae, e é baseado em uma fusão das anteriores figuras históricas e lendárias. Geoffrey combinado histórias existentes de...

—————

King Arthur

King Arthur é um lendário líder britânico que, de acordo com histórias medievais e romances, liderou a defesa da Grã-Bretanha contra os invasores saxões, no século 6 antecipada. Os detalhes da história de Arthur são compostas principalmente de folclore e invenção literária, e sua existência...

—————


Sagrada Sincronia 

Em uma longa estrada

A vida percorre caminhos

Muda o rumo, vira a esquina

Um leve sussurro entre as árvores

Vozes que se perdem pela brisa

Duas almas, duas vidas, um sonho...

Em um mundo que começa a girar

Sem razão pra ficar, muda o destino

Nessa melodia que não ousa cala

rNão importa, ouça a voz do coração,

Perfeita harmonia que vem sem avisar

Além da misteriosa ilha de Avalon,

Que não se pode explicar,

Apenas sentir a fina névoa de prata

Que brilha na mais bela sincronia!

(Desconheço o autor)


 


Canalizações

A MÁGICA DE MERLIN

      Um momento mágico, meus queridos, enquanto instalamos e criamos juntos através de cada abençoado Eu Crístico, os novos moldes ou estruturas que são precursores da 7a. idade de ouro. Enquanto a casa de Leão apagou qualquer vestígio antigo de densidade, assim é com as mãos...

—————


Canalizações do Lord Merlin nos Blogs:

* PORTAL LUZ DA NOVA ERA

 

* A.G.F.B.U.


 


BRUMAS DE AVALON
 

 

"A magia é um caminho desconhecido, assim como a escuridão da noite. E ao mesmo tempo assustadora, tornando-se um desafio para renunciarmos aos nossos medos e mergulharmos neste mundo secreto, que quanto mais se caminha, mais se descobre o que há por trás da penumbra. A bruxaria é um mundo oculto pelas sombras da noite, em que só a bruxa, por si própria, poderá descobrir o caminho certo, confiando na sua eterna aliada, a lua, que é a luz da Deusa. Uma bruxa acomodada jamais será sabia, porque o conhecimento oculto não é recebido e sim procurado. O segredo é confiarmos na luz interior que nos guiará adiante no caminho da procura, que começará neste momento, nesta noite de iniciação. A hora é agora que o ritual se inicie."

Morgana - As Brumas de Avalon


 


Templo de Avalon

Invoco toda a magia de Avalon,
 Templo e morada dos Deuses celtas
 Linha tênue que separa esse breve momento
 Pela Deusa as criaturas se fazem presentes
 Buscam o equilíbrio e resgatam a sagrada unidade
 Que vai muito além do éter dessa névoa de prata
 Gnomidas revolvem a terra para as boas novas
 Silfos espalham gotículas e renovam o ar de alegria
 Salamandras expurgam os tolos do caminho
 E as ninfas revelam segredos do transe ascendente
 Muitos falam, alguns percebem e poucos entendem
 As palavras soltas ao vento, adentram os corações
 Despertam emoções adormecidas, jamais esquecidas
 Logo a semente estará em seu ventre
 Germinando uma era de esperanças renovadas
 Apenas por uma questão de tempo desse universo
 Paralelo sagrado, programado nas ondas quânticas
 Através da figura singela de uma Deusa criança
 Corre tempo, busque terra, voe folha
 Queime nas fogueiras sagradas e renasça
 Através das águas cristalinas da fonte sagrada
 Avalon, a terra dos campos verdes e do céu azul...
 Estás além das brumas do tempo e da ilusão!

 Rowena Arnehoy Seneween ®