ASSUMINDO SUA MEDIUNIDADE.

Seguidores de Berenice perguntam e ela bondosamente responde.

Fernando:Por que só agora você assumiu publicamente a sua mediunidade?
Berenice: Na vida tem hora para tudo acontecer. Esperei o momento certo porque é agora que tive permissão do Plano Etéreo para divulgar meu trabalho juntamente com os espectros de luz.

Vivian: Você toca piano com os olhos fechados perante uma platéia devido ao seu estado de transe?
Berenice: Não só enquanto toco como quando componho e às vezes ao escrever.

Josafá: Como as pessoas encaram seu estado de transe durante a execução ao piano?
Berenice: Uns acham estranho e não entendem. Outros pensam que sou deficiente visual e tantos outros pensam que a minha mediunidade é verdadeira sem estranhamento.

Lilinha: Já passou alguma situação de constrangimento nesse período todo da sua vida como médium?
Berenice: Sim, muito e incontáveis vezes. Não é nada fácil ser aparelhada por seres de luzes, seguir suas orientações, manter fidelidade, buscar e vivenciar o conhecimento viajando pelo mundo todo, canalizando em horas e locais impróprios. É necessário muita força, acreditar na direção que "eles" comandam e ficar fora da mídia e do convívio social. Um médium deve atender o que lhe passam os seus mestres e mentores, caso contrário não suportaria viver numa sociedade onde a maioria rotula e discrimina os que tem esses dons.

Cristina: É fato que nunca quis aparecer na mídia como uma paranormal?
Berenice: Vivi sempre como sensitiva, médium, paranormal. O derivativo não importante. Quem convive e conviveu comigo sempre soube da minha sensibilidade aflorada desde minha infância. Por questão de educação e religião tive que me esconder devido aos preconceitos e incompreensão demonstrado pela maioria das pessoas.

Carlos Felipe: Você sempre foi espírita?
Berenice: Não. Minha formação religiosa foi Metodista durante minha infância e adolescência.

Vivian: Sendo evangélica foi compreendida?
Berenice: Não. Não foi nada fácil o que vivi e vivo. Até dezembro de 2009, fiquei em reclusão, evitando a mídia e defendendo a minha vida como uma pessoa que atende as coordenadas de uma egrégora espiritual. Hoje, como disse, não haverá mais essa "brincadeira" de esconde-esconde. Jogo na mídia minha condição de ser um instrumento das mensagens canalizadas pelos sons e cores das esferas, escrevendo, tocando, falando sobre as frequências magnéticas do calor e temperança dos sons. Tudo é som, e som é calor. Transformar e transmutar é a minha missão como compositora de um Plano Dimensional de Cores, Sons e Liberdade.

Carlos Felipe: É espírita, espiritualista ou esotérica?
Berenice: Não carrego nenhum rótulo dentro de mim. Eu Sou o que EU SOU. A liberdade de pensamento e respeito fazem a diferença. Não dar nomes é melhor porque o que aprendo com os seres espirituais é muito mais ciência do que religião.

Lilinha: Como será a sua vida no momento que se decidiu tornar público suas canalizações?
Berenice: Eu não cuido de mim. Quem me dirige são meus patrões do Plano Etéreo. [risos] Meu chefe é Deus. Ele com certeza continuará segurando as pedras que todo o médium recebe daqueles que são altamente críticos.

Fernando: Como compositora e pianista você se considera uma virtuose?
Berenice: [rindo] Não. Jamais! Longe disso. Virtuoses são os nossos artistas como Amaral Vieira, João Carlos Martins, Arthur Moreira Lima, Eudóxia de Barros, Marina Brandão e Yara Ferraz.

Vivian: Quem você encarna ou canaliza durante sua execução ao piano?
Berenice: Um dia eu revelo. Chegará o momento de me abrir francamente. Relatarei toda minha vida como se fosse um leque de cores. Vamos aguardar mais um breve espaço de tempo.

Carlos Felipe: Esse ser de luz que você canaliza ou incorpora é o mesmo das composições?
Berenice: Não. Não é.

Lilinha: Durante suas palestras e programas de rádio e televisão você é consciente?
Berenice: Sim e não.

Fernando: O que é ser médium?
Berenice: Médium é você ter consciência que pode captar e retransmitir outras ondas de energia.Todas as pessoas tem capacidade para serem canais. Nosso corpo é carregado de frequências magnéticas sendo interlocutor de um pensamento captado nesta ou outra dimensão. Chamamos isso de vibração, escalas. Não há segredo nenhum nisso. Basta o homem entender como funciona a holografia do cérebro e um pouco de física quântica.

Vivian: O que é Música das Esferas?
Berenice: Música é luz, cor e som. Vibração, movimento, pausa, sentimento, calor, frio, sensações de alegria ou tristeza. Esferas são partículas de luzes que se formam numa camada tridimensional. Emitem força causando um rompimento no seu próprio invólucro que é uma caixa de reverberação de sons. Forma-se a partir daí a escala numérica de sons e cores. Matemática pura, física quântica.

Fernando: Quando você revelará quem são seus mentores?
Berenice: Já revelei há muito tempo. Na verdade são quase nove anos que me dedico nesta missão. Agora ela ganha corpo de ação e transmutação. É hora de transmitir. O tempo urge.

Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 2009. Botafogo