ATRAVESSANDO O VÉU DA TRIDIMENSIONALIDADE - Parte 2

 

 

Mensagem de Kryon através de Lee Carroll
Laguna Hills, Califórnia, 29 de novembro de 2009

Saudações, meus queridos, eu sou Kryon, do serviço magnético.

Eu me sento em frente à uma das pouquíssimas audiências terrenas nas quais eu não preciso dizer quem eu sou. Aqui há um consenso de crença e de entendimento da energia que preenche esta sala. Esotérico o quanto pareça, é real. Vós não podeis negar a crença quando vós sentis os vossos corações sendo tocados. Vós podeis dizer ao vosso intelecto que isto é correto quando vós sentis o amor de Deus sobre os vossos ombros.

Há aqueles que sentem que o intelecto e o coração emocional não podem estar juntos, que um não suporta o outro, que vós tendes que escolher um ou outro. É o ser humano equilibrado, especialmente o que escapa da singularidade, que entende que o intelecto e as emoções se equilibrar a fim de criar fé, porque o intelecto humano não pode negar o amor de Deus nem o Lar. O que o intelecto, no entanto, deseja negar, é que se manifesta em 3-D. Este é o tema.

O meu sócio está apreensivo porque no ano passado nós lhe dissemos que ele faria canalizações nas quais ele explicaria o inexplicável. Isto é difícil, porque requer pensamento “fora da caixa” para traduzir as canalizações através de um filtro que vem de um outro paradigma. Então nós lhe damos uma oportunidade para pensar diferentemente, para que possa ensinar.

A razão pela qual ele está apreensivo é porque literalmente quebra o paradigma da metafísica. Aquilo que é além da Física ainda está enviesado, porque há trabalhadores da luz que decifraram o que ela é, etiquetaram-na, colocaram-na em caixas e disseram que o que é além da Física significa, sem entender que vai muito além da Física. Tem que ir – em cada dia tem que ir.
Permita-nos rever por um momento... Não, não nos deixai. Não nos deixai; dexai-nos sentar aqui por um momento para vos amar. Sim, eu quero vos ensinar essas coisas. Sim, eu quero começar. Sim, eu quero começar o discurso, mas eu quero sentar em vossos colos porque eu sei quem vós sois e muito tempo já se passou desde quando eu vos vi e vós me deixastes compartilhar as vossas energias e vós as compartilhais agora. Há tantos de vós que as compartilhais agora dizendo que é ok, por um breve momento é ok. Outros humanos não entenderão este momento. Quando vós sairdes à rua eles não entenderão este momento. Tenhamos uma reunião de afinados onde vós entendeis que tudo o que for dito de agora em diante é dado em total e completo amor para que vós vos movais ao próximo passo.

Na semana passada eu abri a porta das possibilidades de escapar do viés humano. Eu fiz declarações como esta, que vós não podeis vos mover à próxima fase da mudança de energia na qual vós estais; vós não podeis fazer isto, porque a energia na qual a maioria de vós está enviesada em 3-D, em singularidade. É o meio pelo qual vós pensais porque é o meio pelos qual os humanos pensam. Então o que vós deveis fazer é pegar o sílabo e pensar diferentemente do paradigma no qual vós nascestes. Isso é difícil. Para alguns de vós é impossível.
Nós vos mostramos o viés na semana passada. Nós não nos repetiremos, mas apenas vamos dizer que os seres humanos são direcionalmente singulares, digitalmente singulares e criaturas enviesadas singularmente sobre a face do planeta.

Em três dimensões eles andam em uma direção de tempo, apenas numa. Não há nenhum conceito de visita ao passado, embora ele possam visitá-lo a qualquer tempo que queiram. Eles não entendem o que paradigma de ser uma “alma velha” significa. Pensam se tratar de algo intocável no passado porque eles somente se movem adiante. Então o viés já está lá: só olhando o passado, não podendo olhar o futuro com os olhos, porque está proibido, porque a vossa realidade vos tem nu trilho que só se move para a frente.

Nós já falamos antes sobre a ilogicidade dos sistemas de crença no planeta a falar sobre um pós-vida sem nunca discorrer sobre um ante-vida. Vós nem sequer pensais nisto, porque o trem do tempo só anda numa direção e vós não podeis mover a sua velocidade; no entanto vós a mudastes nos últimos anos. O trem se move mais velozmente agora, não o sentis? Os relógios não se movem mais rapidamente do que sempre moveram e isso é relatividade. Apesar de ela vos ter sido dada por um dos vossos mais conhecidos cientistas, vós não lhe dais o seu devido crédito. Quando cada um de vós vos olhares através do espelho vós vedes apenas um ser humano, uma alma singular. Vós falais sobre o Eu Superior como sendo algo total e completamente remoto em algum lugar sobre as nuvens, menos convosco.

Singular é como vós vos sentis: há somente um só Deus, há somente um caminho a Deus, há somente um caminho e vós escutais de todos que vós encontrais que só há um caminho porque quando vós morrerdes vós sentireis remorso. Isto é singular, não é? Eles dizem que só há uma escada e é melhor que vós estejais na escada certa. Eles dizem que Deus vos julgará caso não estejais na escada correta. Eles dizem que Deus dirá, 'vós chegastes aqui pela escada erra. Eu Sinto muitíssimo!' Soa isto, segundo vós, como o amor de Deus? É o viés do ser humano que aplica tudo que é singular a Deus. E assim é como vós pensais; no entanto, não todos vós pensais assim.

Esta mensagem é para metafísicos, para trabalhadores da luz. O que eu vou descrever pode não ser tu, mas representa o “tu” genérico e o jeito que os humanos pensam, até mesmo num grupo de trabalhadores da luz. Eles devem entender. E quero que vós vos coloqueis por um momento num cenário metafórico no qual vós estais num dessas feiras psíquicas e há tendas ao vosso redor. Há tendas de numerologia e tendas tocantes. Há músicos. Há tendas com muitas pedras, incluindo cristais. Há uma tenda para astrologia. Agora visitarei todas elas e mostrarei o viés em cada uma delas e isto afetará a todos vós. Isto é uma piada. Kryon não conta boas piadas. Sinto muito. Não farei isto novamente, meu sócio. Ele me advertiu. Isto não é crítico; é um exposé. Por que humanos, até mesmo numa feira psíquica, num lugar metafísico, vão de lugar a lugar e observam as coisas mais recentes? Talvez seja uma bola, uma pedra, algo manufaturado ou feito, talvez um sistema, um processo. Lembrai as palavras nesta frase: os humanos olham as tendas e perguntam, 'o que isto faz?

'Há um numerologista de nível mundial nesta sala. Ele já sabe aonde eu vou antes mesmo de eu começar, mas ela é uma pensadora quântica. Numerologia pareceria ser uma das mais lineares ciências esotéricas que vós tendes. Ela destila grandes números até 1 e então identifica a energia de um número. É o que parece, mas não é o que ocorre. Vós chegais à tenda numerológica e lá há um grande número 1. Vós o observais e dizeis, 'o que ele faz?' O que vós em verdade perguntais é, 'o que isto faz por mim? O que o 1 faz aqui numa caixa? O que tu queres dizer? O que tu fazes disto?'

Numa perspectiva totalmente enviesada o número 1 senta lá sozinho a vos olhar e o humano atrás da tenda diz, '1 significa um novo começo. ' Vós dizeis, ' Eu gosto disto. Ótimo!' Vós recebeis a vossa resposta linear, não a recebeis? Vamos a uma outra dimensão por um momento. O que o número 1 pensa disto? É um número, e não foi criado sozinho. Pensais que a humanidade criou o número 1? E que esperou alguns anos e descobriu o número 2? Não, nunca estão sós. Nunca. Fazem parte de um sistema. Não podeis por o 1 numa caixa. Então ele perguntará, 'onde estão os meus amigos? Onde estão os outros números. Vós não me podeis por numa caixa. ' Esse é algo quântico e assim sendo o humano não pode perguntar, 'o que isto faz?'
E se vós désseis uma olhada no número 7? Sabeis a sua história? E se ele veio de 691? Quando vós juntardes o 691, obtereis 16. Ponde o 6 e o 1 juntos e obtereis o 7. O 7 fica sozinho e o ser humano pergunta, 'o que isto faz?' O numerologista responde, 'ele representa realeza e sacralidade. ' Entretanto o número conhece 691. Vós sois quem o destislates num 7 ele quer vos perguntar a questão, ' o que eu estava a fazer quando eu era os números 6 e 9? E juntos, o que eles significavam? E como eles se relacionam com o número 1?
O que eu vos digo é que numerologia é quântica. Vós nunca podeis olhar um número e dizer, 'o que ele faz?' O numerologista sabe isto. Os numerologistas farão o máximo para por os números juntos a tal ponto que eles desenvolverão uma quanticidade que descreve algo que é necessário que vós saibais. Não se trata do número 1. Não pode permanecer só. Ele não pode perguntar, 'o que isto faz?'

Imaginai escolher uma letra do alfabeto e separá-la do sistema que foi desenhado para palavras e comunicação. Vós a observais e dizeis, 'o que ela faz?' A resposta seria nada. 'Onde estão as outras?' Esse é um pensador quântico.

Há e tem havido ciência, procedimentos e processos quânticos por um longo tempo no planeta. Os seres humanos desejam linearizar todos eles. Numerologia é um deles. O segundo é – olhai isto, porque ele grita a vós: 'tarô!' Nós temos um leitor de tarô de nível mundial aqui. Os seres humanos querem escolher uma carta e pô-la sobre a mesa. Então o ser humano quer batê-la e dizer, 'o que está. Significa?' O leitor de tarô olharia o ser humano e diria ' nada por si mesma. Tu tens que rodeá-la com as outras. Depende do espalhar e depende da direção à qual é espalhada. Ela dá ma mensagem que precisa ser combinada com o resto delas caoticamente num modo sincronístico. O ser humano tem que estar envolvido, porque se requer consciência sobre ela e pedido com intento.

Quando a carta diabólica aparece o humano se assusta e diz, 'o que isto significa?' Por que vós sois singulares, vedes? Está embutido. Está embutido. O leitor de tarô tentará explicar que é a coleção da caoticidade sincronística, atributos das cartas dados potencialmente, e irá ler a direção para vós. Isso é um evento quântico. Podeis ver a diferença? O humano deseja pegar a singularidade do evento e projetá-la? O que esperais disso? O ser humano irá a um leitor psíquico e o leitor lhe dará uma leitura psíquica. O ser humano sairá da tenda e dirá, 'isto é o que vai acontecer comigo. ' Ele nunca entende que um momento mais tarde tudo isto pode ser mudado. Num momento posterior poderá haver um momento em sua vida no qual ele se ajoelha e cerra os seus olhos; e este já não é mais o seu futuro, vedes? Mas os seres humanos não pensam deste modo. Eles vêem o trilho linear, que diz que aquilo está no futuro deles. É tudo o que eles vêem. Isso está no futuro deles.

Eles não permitirão a si mesmos nenhum pensamento quântico. Alguns seres humanos iniciarão uma via naquele trilho singular e pemanecerão nele todo o tempo até o fim. Tomarão os seus últimos bocados de ar a pensar que a única oportunidade que tiveram foi caminhar numa linha estreita durante toda a sua vida. Ele não entendem que uma mente quântica pode até mesmo parar o trem caso queira. Eles podem revertê-lo caso o desejem. Podem, conforme seus desejos, viver mais tempo. Todas essas coisas são quânticas.
Vós vos moveis à próxima tenda e lá encontrais em frente a vós todas as bolas. São bonitas e possuem diferentes cores. A mente humana faz clic-clac. Ela gosta da bola verde e em sua singularidade ela levanta a questão, 'o que faz a bola verde?' O que ela faz?!' O mestre das bolas engole em seco porque tem que apresentar uma resposta linear. Ele pensa o máximo que pode numa maneira linear e acontece ser o tom de música f. É algo duro e afeta o chacra humano.

'Tens alguma para o meu cotovelo?'- vós podeis perguntar – O meu cotovelo dói! Eu quero uma bola para o meu cotovelo! Eu sou uma jardineiro. Tens tu uma bola para o solo?' Vós sabeis que eu estou certo. Vós sabeis que eu tenho razão. Os seres humanos raciocinam de forma singular. Eles vão direto ao objeto que observam e perguntam, 'o que este objeto singular faz? Quantos devo eu comprar para me equilibrar totalmente? Quantos chacras? Quantas notas? Quantas cores?' Eu levo todas. ' Vedes vós o que eu quero dizer?

Vamos voltar um pouco, porque eu quero vos contar o que o mestre das bolas sabe. Há diferentes cores, diferentes tamanhos e diferentes formas. Ademais as vibrações no ar fazem em verdade uma diferença porque em verdade a nota na música é o fundamento que o ouvido ouve. Ao redor desta nota fundamental há harmônicos superiores e inferiores – alguns deles além da audição humana – e há vibrações que criam uma impureza de tal como que a bola falará de certo modo, expressar-se- á de certo modo, unificar-se-á de certo modo. Assim sendo, o ser humano não pode perguntar 'o que isto faz?’, porque aqui há uma bola que falará à tua alma. Ela entrará em teus ouvidos e criará um evento quântico no ar circulante, porque o ar sabe quem tu és. Ele conhece a bola e a bola te conhece. Este é um evento quântico.

Se tu escolhes possuir a bola, ela sabe disto. Se tu escolhes usá-la sozinho no escuro, ela sabe disto. Ela te conforta. Não se trata de teu coração, da cor verde, nem da nota f; é sobre uma inteligência quântica que age a nível anímico. Como pode o mestre das bolas explicar isto ao humano que diz 'o que isto faz?' Ele sabe o que ela faz. O mestre de bolas em particular que está aqui hoje está em verdade a reinventar como se por quanticidade nos tons de cristais que existem desde sempre. Ele usa substâncias de jeitos únicos para criar um evento quântico.
A essência do que está a ser criado numa bola cantante é aquela que é um mini-portal. Está é a verdade. Se vós a escutais tocando ao vosso redor, sabeis do que eu falo. Ela se adéqua à alma de quem a possui, não é verdade? Como é que o mestre das bolas responde a isso. Pessoalmente ele está de pé em frente a ela e pergunta ' o que isto faz?' Vamos dizer que vós chegais de um outro planeta e vós nunca escutastes música. Vós chegais ao planeta e escutais algo magnífico. Vós perguntais a um ser humano, 'o que é isso?', e ele responde, 'é música.' E vós perguntais, 'o que isso faz?' Como vós responderíeis?

Música e arte já são quânticas. Vós sentais em frente ao maestro. Ele toca as sonoridades do que vós chamais vibrações harmônicas. E alguns sorrirão e outros chorarão. Vós ouvis uma música que foi escrita por um grande compositor e vós sentais em frente a uma sinfônica que está a tocá-la. Alguns sorrirão e outros chorarão. A música., que sabe que foi o compositor, visitá-lo-á, porque ele a escreveu. Isso é quântico. Vedes? Isto é o que música faz; ainda assim há o ser humano a perguntar, 'o que isto faz? Especificamente eu quero este ou aquele tipo de música. Eu quero algo para me equilibrar. Eu quero algo que eu possa tocar para as minhas plantas.' Isto é tão singular, porque no cenário das cordas há mágica. É em verdade quântico.
Vós sentais num banco em frente a uma belíssima obra de arte no Louvre. Há aqueles que sentaram e chorarão durante uma hora, observando a pintura, a participar com o artista em cada pincelada, a olhar a geniosidade das cores junta postas, a nadar de um modo que canta um tom. Isso é quântico. Podeis aplicar isto a tudo o que fazeis em vossas vidas, seres humanos? Podeis aplicar isto a vossas singularidades? Eu chegarei lá num minuto.

Rumo à próxima tenda vós visitais as rochas. Agora há um mestre de rochas aqui. Ele sabe quem ele é. Atraído a elas ele é. Ele se meteu neste negócio. Ele dá um show hoje. Ele ama rochas. Os humanos irão de rocha a rocha e lerão os rótulos, 'esta é para equilíbrio. Esta te faz flutuar um pouquinho. Esta é para saúde. Esta é para te firmar a terra.' Vós não tendes sequer que perguntar, porque as amostras estão rotuladas. Humanos gostam disso. Eu quero perguntar algo a vós. Digamos que vós pegais a rocha que é destinada a vos equilibrar e a segurais por um momento. Estais satisfeitos? Pensemos quanticamente por um momento, porque agora é quando isto se torna bom! Escutai. Como é possível que a rocha saiba que vós sois. Irá apenas equilibrar qualquer um? E se vós sois casos especialmente difíceis? Vede que a rocha que segurastes sabe quem vós sois. Se for em verdade uma que é conhecida metafisicamente por propiciar equilíbrio, então há um evento quântico a ocorrer. Os seres humanos não sabem disso. Eles seguem o pensamento segundo o qual tudo é singular. 'Eu a levo!' Colocam-na em seus bolsos. 'Agora estou equilibrado!' Em algum dia descobrirão que os seus bolsos estão nos seus armários e não saberão porque as suas vidas estarão péssimas [gargalhadas partem da ilustre platéia]. Esta foi mais uma piada de Kryon.

Percebeis a estupidez disto? É engraçado e é risível. Vós sabeis que eu estou certo. 'O que isto faz?' 'O que isto faz?' - Ajudadar-te-á a se conectar à terra. - Eu levo uma. Como eu posso saber que funciona? ' Há que haver uma conexão quântica. Por que? Porque a pedra te conhece. Ô, falemos a mãe de todas as pedras: o cristal. Agora tu a olhas e vê vários declives. O cristal é uma pedra quântica. Há que sê-lo. É a única pedra – chame-a assim - conhecida que pode conter memória. Nós estamos a falar da malha cristalina. Estamos a falar dos cristais na Caverna da Criação. Há uma razão porque nós a qualificamos de cristalina, porque ela tem uma função a desempenhar neste planeta, uma função começamos a iluminar desde há pouco tempo. Elas contêm a memória de quem tu fostes e de que tu és, porque a essência de tua alma sempre permanece no planeta. Isso é o que elas fazem. Vós as coletais e as pondes em vossas casas.

Tomemos um momento. Tu estas em frente a uma tenda. Tu sabes tudo sobre cristais. Tu tens sido um new ager por um longo tempo. Tu selecionas uma e a pegas. E quem está na tenda começa a falar contigo sobre ela. Ela te conhece, sabes? Talvez tu não estejas pronto para isso. Uau! Tú queres nomeá-la. E assim tu fazes. Agora tu tens que comprá-la. Estas são as regras. Eis o que eu intenciono dizer: há uma interação com a pedra. Geologia é como isto. Eu vos dou novamente a informação, anteriormente dada, de que, porque ela se parece com. A vida simplesmente deita lá, equilibrada ou não. Ela contem memória e é bonita.

Há uma inteligência quântica das eras. Elas vos conhecem porque elas vêm a alma velha em vós elas respondem ao solo da terra. Aí há um ciclo. O ser humano só a pega, coloca-a num bolso, anda e a coloca num armário, nunca entendendo que está a participar num belo ciclo quântico neste planeta. Do pó da terra vós surgistes. Há vida no pó, há vida nas pedras. Muitas delas falarão a vós. O mestre das pedras sabe disto. Há mais do que a beleza das suas cores. Elas se comunicam com ele e ele as sente imediatamente. Ele tem uma história com elas. Eis a razão de seu amor por elas. E elas o amam de volta. Há uma afinidade entre eles e isso é quântico.

Vamos à última tenda. Vai ser complicado. Ali está a ciência mais antiga do planeta: a astrologia. A Astrologia pode ser chamada “trabalho de energia” e foi provavelmente o condutor mais antigo de energia no planeta. É um sistema que descreve a energia ao vosso redor, desenvolvida por um conjunto de circunstâncias complexo de mecânica orbital, sendo o sol o fulcro da fonte magneto-gravitacional, com os planetas puxando e empurrando, a interfacear com o campo magnético terrestre e com o DNA humano. Este é o vosso signo astrológico de cada um de vós. Já fizestes os vossos mapas astrológicos? Um mapa, um ser humano. O ser humano olhá-lo-á e dirá, ‘o que isto significa? O que isto faz? O que ele significa para mim? É algo que conta o meu destino? Ajudar-me-á em negócios? Curará o meu dolorido cotovelo ?’ O quão singular! Vós sabeis que eu estou certo. Vós mirais estas coisas de modo singular, sem entender a profundidade de nada disso - não realmente, não até eu explicar. Eu vos apresento uma pergunta retórica que vós podeis responder; ainda assim vós recebereis a resposta intuitivamente, num estado quântico, ou seja, não será linear, e isto inquietará a vós.

Há uma astróloga de nível mundial nesta sala e ela será uma das primeiras pessoas a desenvolver uma astrologia quântica. Aqui estão alguns problemas, almas velhas. Almas velhas, nós vos temos dado informação acerca do que o akash significa para vós. Num estado quântico não há tal coisa como uma vida passada. Vós não podeis dizer que tivestes vidas passadas quando vós olhais a vós mesmos no espelho: é uma combinação de todas de todas as vida que vós tivestes neste planeta até o ponto em que vós chegastes a este lugar, almas velhas. Vós podeis ter uma formação xamânica que vos trouxe a este lugar, almas velhas. A sabedoria que vós carregais em vós mesmos é um reflexo de todas as vidas que vós vivestes. A terra sabe, vós sabeis. A Caverna da Criação sabe. Há muito do ar ao vosso redor que sabe, assim como os anjos que vieram convosco. Isto é o que permite aos videntes saber tão facilmente quem vós sois. Vós não podeis, mas eles podem, porque eles podem ler os “focos de neve.” Eles podem ver os tempos de vida e as energias que vós tivestes aqui. Isso faz com que vós sejais quem vós sois.

Se tu acreditas nisso, eu tenho uma questão para ti: qual é o teu signo astrológico? Tú podes dizer, ‘eu nasci em fevereiro.’ Não, não não! Eu não te perguntei em que mês tu nasceste; eu quero saber que energia da astrologia pertence a ti, alma velha, porque sé tu és uma combinação, uma sopa de tempos de vida, talvez tu nascestes em cada mês e hora singular que existe. Eu quero que tu fales a mim agora: qual é o teu signo astrológico? São todos eles? É o mais corrente? É aquele que tem prioridade no teu akash porque tu o colocaste lá de propósito? É possível que tu mudes o teus atributos astrológicos porque tu deste intento para isso? Eu deixo a resposta contigo, mas eu te digo que há aqueles nesta sala que intencionaram. A astrologia será forçada a considerar o akash. Isto só pode ser feito por um que pode lê-lo. Não será difícil, porque aqueles de vós que estais a vos tornar quânticos o mostrarão. A alma velha em vós será visível pelos que estão ao vosso redor. Eles a verão em vossos olhos a sabedoria, o amor.

Eu descrevi especialidades hoje. Eu posso ter deixado uma fora. Há uma energia de cura que tem a habilidade de ser enviada a uma longa distância. Há quatro de vós que podem fazer isso. Um usa um aparelho radiônico; os outros podem fazê-lo sem aparelho. Falemos do aparelho por um momento, porque ele parece haver um diagnóstico singular de vossos problemas - de fato ocorre. Corporalmente, tridimensionalmente, ele diz, ‘aqui está o que tu precisas. Aqui está o que os teus órgãos necessitam. Aqui estão as especificidades.’ E o ser humano está satisfeito, porque isto é o que um médico faria. É bastante singular, podeis ver? Aqui está o erro: ‘o que isto faz?’ Ele vos dá essas coisas. ‘Muito bem, eu estou contente!’ Ele precede realizar algo muito quântico. Vós saís da sala – onde quer que as vossas casas e países estejam – e o operador e o computador conjuntamente usarão radiônica para enviar a energia para vós. Deixai-me perguntar isto, como isto sabe onde vós estais? Há 7 bilhões de pessoas no planeta e ela vai direto às vossas casas e aos vossos corpos. Como ela sabe onde vós estais?
O curador, aqui presente, que pode curar sobre o telefone ao enviar cura para vós, pode olhar os atributos em vossos olhos e enviar cura para vós. E ele pode. Ele sabe quem vós sois, porque ele sente a energia diretamente no éter. Como eles sabe quem vós sois? Há somente uma resposta que eu possa dar a vós agora que encerramos e ela é bela: porque cada molécula e ar sabe quem vós sois. Cada pedacinho de pó no planeta sabe quem vós sois. Tudo é parte de um sistema que vós criastes. Toda a terra e todas as coisas sobre ela foram desenhadas por um Criador que vive dentro de vós, que vive dentro do vosso DNA. Esta transformação que acontece no planeta está a vos acordar a isso. Tornar-se quântico não é apenas pensar diferentemente; é tocar a face do Criador Não são muitos, porque em 3-D vós olhais a um ser humano a envelhecer e isto é tudo o que vós podeis faze. Abençoado seja o humano que o consegue. Eu vos desafio a olhar uns aos outros e aos vossos olhos no espelho. Fazei-o por um longo tempo. Tentai sorrir um pouco. Tentai congratular a vós meemos por estardes aqui. Tentai ver o enorme grupo que cada um de vós representa no universo, o pedaço do Criador que cada um de vós sois, e talvez até mesmo a piada que vós não podeis ver isso.

Todas estas coisas eu dou a vós, porque elas são necessárias para que vós possais fazer o que vós viestes fazer. Eu quero dizer a vós é um pensador quântico quem pode olhar a seres humano e amá-los sem se importar com o que tenham feito; quem pode encontrá-los pela primeira vez e saber que são almas velhas; que pode olhar à humanidade em geral e não julgá-la, mas amá-la, que procura soluções em vez de problemas; este é um pensador quântico, porque ele vê a História, o ciclo da vida, a conexão com a natureza, os papéis que os animais desempenham em todas as coisas, o papel que o ar desempenha, as rochas, as energias, os sistemas, todos desenhados para não serem singulares. O que isto faz? Talvez isto desperte a vós ao vosso potencial, que está diante de vós. Vós deveis começar a pensar quanticamente, somente um pouquinho, para poderdes pegar os instrumentos que estão fora da vossa percepção.

Os acumpunturistas que trabalham com os doze meridianos precisam começar a trabalhar com os meridianos acima dos meridianos a fim de poderem por o que seriam agulhas esotéricas nos lugares que aqueles nem sequer sabem que existem. A ciência se moverá de qualquer modo a essa direção. Quereis vós que a Física progrida e deixe o corpo para trás? Ireis vós, em vossa singularidade, separados tão fantasticamente que vós nem sequer podeis compreender, entender que a Física está relacionada com tudo dentro de vós, cada molécula, cada átomo, a implorar que vós encontreis aquela sopa da Criação dentro de vós. Há uma cola lá. É o que modificará este planeta. Nós nem sequer temos um nome para ela. Então nós dizemos que é a Consciência Humana.Essa é a mensagem neste dia enquanto nós sentamos e lavamos os vossos pés, enquanto nós sentamos e vos amamos. Tornai-vos quânticos.
Eu sou Kryon. Eu sou o amante da humanidade.
E assim é.
Kryon.


 

Transcrição e tradução não oficial da mensagem ao vivo por:
Marcus Vinícius Pinheiro de Castro

Fonte em Inglês do áudio:  http://www.kryon.com/cartprodimages/download_laguna_09.html

Luz de Gaia