O "MÉDICO DOS POBRES"

 

 

29 de agosto de 1831

11 de abril de 1900

 

Em 29 de agosto de 1831, nascia na antiga Freguesia do Riacho do Sangue, hoje Jaguaretama, no estado do Ceará, aquele que seria conhecido como o "MÉDICO DOS POBRES", o "KARDEC BRASILEIRO'.Adolfo BEZERRA DE MENEZES muito cedo revelou sua extraordinária inteligência. Com a idade de 11 anos iniciou o curso de Humanidades e, aos 13, conhecia tão bem o Latim que ele substituía o professor quando necessário, ministrando aulas a seus companheiros.Seu pai, capitão das antigas milícia e tenente- coronel da Guarda Nacional, Antonio Bezerra de Menezes, homem severo, de honestidade e caráter incontestáveis, possuia fazendas de criação. A política e seu bom coração, que o levaram a ajudar parentes e amigos que o procuravam, explorando seu sentimento de caridade ao próximo, comprometeram sua fortuna. Ao perceber que seus débitos igualavam seu haveres, procurou os credores e lhes propôs entregar todos os seus bens para quitar suas dívidas. Contudo, os credores, todos amigos, recusaram tal proposta e aceitando que lhes pagasse quando pudesse e quisesse. Não se sentindo em condições morais de aceitar tal proposta, decidiu tornar-se um mero administrador do que fora sua propriedade, retirando do exercício da administração apenas o estritamente necessário para a manutenção de sua família.Bezerra de Menezes, criado com o edificante exemplo de seu pai, decidiu com a pequena quantia que parentes lhe deram, e com o firme propósito de vencer quaisquer dificuldades, partiu para o Rio de Janeiro para seguir sua vocação- a Medicina.Em novembro de 1852, ingressou como praticante interno no Hospital da Santa Casa de Misercórdia. Completou o curso em 1856 pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, defendendo a tese "Diagnóstico do Cancro". Em 27 de abril de 1857, candidatou-se ao quadro de membros titulares da Academia Imperial de Medicina e no ano seguinte candidatou-se a uma vaga de lente substituto da Seção de Cirurgia da Faculdade de Medicina. Mais tarde foi nomeado para o posto de Cirurgião-Tenente, como assistente de seu mestre Manoel F.P. de Carvalho, então Cirurgião-Mor do Exército.Em 1861, foi eleito vereador municipal pelo Partido Liberal, mas sua eleição foi impugnada pelo conservador Hadock Lobo, sob a alegação de ser Bezerra de Menezes médico militar. Mas, em 1867 foi eleito Deputado Geral e seu nome constou de uma lista tríplice para o Senado. Desiludido com a política e os políticos, decidiu abandonar a vida pública e dedicar-se a atender os pobres, repartindo com eles o pouco que então possuía.Bezerra de Menezes tomou conhecimento da Doutrina Espírita de forma inusitada. Foi presenteado com "O Livro do Espíritos" e como morava na Tijuca e levava uma hora viajando de bonde, resolveu, para distrair-se, ler o livro. Segundo suas palavras :"Não hei de ir para o inferno por ler isto... Depois, é ridículo confessar-me ignorante desta filosofia, quando tenho estudado todas as escolas filosóficas. Pensando assim, abri o livro e prendi-me a ele, como acontecera com a Bíblia. Lia. Mas não encontrara nada que fosse novo para meu Espírito. Entretanto, tudo aquilo era novo para mim!... Eu já tinha lido ou ouvido tudo o que se achava no "O Livro dos Espíritos". Preocupei-me seriamente com este fato maravilhoso e a mim mesmo dizia: parece que eu era espírita inconsciente, ou, mesmo como se diz vulgarmente, de nascença".
No dia 16 de agosto de 1886, um auditório de cerca de duas mil pessoas da melhor sociedade presentes à sala de honra da Guarda Velha, na rua da Guarda Velha( atual Avenida 13 de Maio, Rio de Janeiro), reuniu-se para ouvir em silêncio emocionado e atônito, as palavras do médico e cidadão católico, Dr.BEZERRA DE MENEZES, que proclamava sua conversão ao Espiritismo.
 
 
O MÉDICO E O HOMEM
(Exemplo a ser seguido por todos)
Bezerra de Menezes considerava o exercício da Medicina como verdadeiro sacerdócio e dizia : "Um médico não tem direito de terminar uma refeição, nem de escolher hora, nem de perguntar se é longe ou perto, quando um aflito lhe bate a porta. O que não acode por estar com visitas, por ter trabalhado muito e achar-se fatigado, ou por ser alta noite, mau o caminho ou o tempo, ficar longe ou no morro o que, sobretudo , pede um carro a quem não tem com que pagar a receita, ou diz a quem chora à porta que procure outro, esse não é médico, é negociante de medicina, que trabalha para recolher capital e juros dos gastos da formatura. Esse é um infeliz, que manda para outro o anjo da caridade que lhe veio fazer uma visita e lhe trazia a única espórtula que podia saciar a sede de riqueza do seu Espírito, a única que jamais se perderá nos vais-e-vens da vida".
 
 
BEZERRA DE MENEZES E A FORÇA DA ORAÇÃO.
Ainda estudante de Medicina, estava Bezerra de Menezes em séria dificuldade financeira e precisava da quantia de cinqüenta mil réis para o pagamento de taxas da Faculdade e para outros gastos inadiáveis, como o aluguel,pois, seu senhorio ameaçava despejá-lo.Pediu ajuda a Deus e alguns dias depois, o procurou um jovem simpático, educado, que dizia precisar de aulas de Matemática. Bezerra, recusou a princípio sob a alegação de que essa não era uma matéria de que gostava. O visitante insistiu e Bezerra lembrando-se da difícil situação que enfrentava, finalmente resolveu aceitar o aluno. O jovem então,dizendo que temia gastar a mesada que recebera do pai, pediu-lhe que aceitasse receber o pagamento adiantado do valor de todas as aulas combinadas. Após relutar, Bezerra resolveu aceitar a quantia. O rapaz entregou-lhe então a quantia de cinqüenta mil réis. Combinados dia e hora para o início das aulas , o rapaz despediu-se, deixando Bezerra muito contente, pois, assim conseguiria pagar o aluguel e as taxas da Faculdade. O rapaz nunca mais apareceu !