SHOUD 3: “Potenciais do Futuro”


 

OS MATERIAIS DOS SHAUMBRA
A Série dos Mestres:
SHOUD 3: “Potenciais do Futuro” - Apresentando ADAMUS, canalizado por Geoffrey Hoppe

Apresentado ao Círculo Carmesim
7 de novembro, 2009

www.crimsoncircle.com


Eu sou o que sou, Adamus of Sovereign Domain (do Domínio da Soberania). Bem-vindos à sala de aula e ao laboratório da nova energia espiritual neste belo domingo, 8 de novembro de 2009. Queridos Shaumbra, bem-vindos.

Agora, vamos começar abrindo os olhos, mas não só os de Cauldre – os de cada um de vocês. Não estou falando apenas dos olhos físicos, mas, sim, de seus olhos espirituais.

Portanto, respirem fundo e se abram. Por quanto tempo vocês estiveram fechados? Por quanto tempo têm participado do jogo humano? Ah, por muito, muito tempo. É um jogo maravilhoso, um jogo incrível. Eu joguei esse jogo e jogo com vocês às vezes, mas vocês chegam num ponto em que o jogo fica obsoleto. E vocês evocam o Espírito. Vocês imploram ao espírito. Vocês ficam zangados comigo. E dizem: “Deve existir algo mais. Tem que haver mais.” E é onde nós estamos bem agora.

Somos este grupo chamado Shaumbra – sem barreiras, sem associações, nenhuma iniciação, nada a fazer além de respirar ocasionalmente – mas aqui estamos nós.


O que é Shaumbra?

Preciso dizer que é interessante quando estou com meus colegas e amigos do outro lado. Eles sabem que estou envolvido muito ativamente agora no Conselho Carmesim. Eles sabem que vim assumir de onde Tobias deixou.

Tobias, ah... vamos reservar um instante pra respirar por Tobias, pois ele está de volta à condição humana e como se precisa de respiração pra isso! [Risadas] Ah, ele está passando por experiências. Não neste Shoud, mas talvez na celebração do Natal iremos falar um pouco de Sam – como e onde ele está.

Então, tenho que explicar a meus colegas, amigos e companheiros angélicos quando eles chegam e dizem: “O que é esse negócio de...” Alguém deixou o Pakauwah lá fora. [Risadas quando Adamus repara num grande cão branco querendo entrar no auditório.]

LINDA: Ele quer fazer uma visitinha.

ADAMUS: Podem deixá-lo entrar, se ele prometer não me morder. [Risadas]

LINDA: Deixem ele entrar por um instante. A gente pega ele, se for preciso.

ADAMUS: Isso, deixem ele entrar.

LINDA: Só por um tempinho... tão lindo. [Risadas e comentários quando o cachorro entra e anda pela plateia.] Ah, você é lindo. Vem cá. Vem cá.

ADAMUS: Sinto muito, ele está ocupado cheirando as partes de todo mundo e a minha [muitas risadas] não está disponível neste instante. Certas coisas simplesmente nunca faremos numa canalização. [Mais risadas]

Então, explico aos amigos... “O que é Shaumbra?”, eles perguntam. E, a propósito, os anjos não sabem de tudo. Vocês têm esse entendimento errôneo de que só porque se está morto se sabe de tudo que acontece. Vocês fazem ideia de como os humanos são experts em se fecharem para os seres espirituais? Mesmo Deus não consegue ver vocês, não consegue ouvi-los, não consegue entrar em seus pensamentos quando vocês se bloqueiam. E a maioria dos humanos se bloqueia cerca de 82% do tempo. Oitenta e dois. Adoro números.

Assim, tento explicar o que é Shaumbra, quando me perguntam. O que é Shaumbra? Realmente, não há uma definição para isso. Obviamente, não é uma religião – eu sei quem vocês são! [Risadinha de Adamus e risada da plateia] Provavelmente, não é um culto, porque, em geral, vocês resistem a grupos. Vocês nem mesmo gostam de grupos. Vocês não querem se associar a nada disso.

“Então, o que é Shaumbra?”, eles perguntam. Nem é algo espiritual. Nem mesmo espiritual, porque “espiritual” tem uma velha conotação. “Espiritual” para muitos dos seres do outro lado significa... ah, como dizer de maneira simples... eu não vou... significa algo falso, enganador. Enganador. Espiritualidade é um dos maiores alimentos para o ego e para a mente. A mente adora quando as pessoas se tornam espirituais, porque isso é uma desculpa para estarem sempre certas, serem arrogantes, terem a mente fechada e ficarem sempre buscando.

Dessa forma, não posso dizer que um Shaumbra seja espiritual. Então, o que vocês são? Vocês não são intelectuais [risadas] e digo isso respeitosamente [mais risadas], com a devida consideração. Bom, vocês não querem ser intelectuais. Os intelectuais são muito limitados, muito voltados para si, muito condescendentes. Talvez vocês digam que eu costumava ser um intelectual em certo momento. [Risadas] Mas não sou mais. Não mais.

Vocês não são fantasiosos, por isso, dificilmente, eu poderia dizer que são adeptos da nova era. Vocês podem ter sido em algum momento, mas a nova era tem essa conotação de pertencer a algum lugar distante. E, trabalhando com Tobias ao longo desses anos, vocês superaram esse período nova era. Vocês deixaram de viver e existir na terra da fantasia e de ter essa vida aqui na Terra que era, basicamente, muito, muito desequilibrada.

Não, vocês aprenderam a respirar. Vocês aprenderam a estar no seu corpo, amar seu corpo, amar o corpo do companheiro, a amarem-se uns aos outros. Vocês se permitiram começar a aproveitar o que a vida tem a oferecer – que é muito. Muito mesmo.

Nós ainda estamos passando por dificuldades porque ainda estamos superando os padrões mentais. Os padrões mentais – os fatos e as estatísticas. Ainda estamos superando a programação que existiu ao longo de eras – de Atlântida, das igrejas, das escolas, de seus pais, de vocês mesmos. Entendam, vocês não são a pessoa que costumavam ser cinco anos atrás, são? Não. Vocês não são a pessoa que eram um ano atrás. Então, o que vocês são? Quem vocês são? Eu preciso tentar explicar isso aos outros seres angélicos.

Isso, de fato, é um enorme prazer pra mim, porque posso simplesmente dizer: “Eles são o que eles são. Eles são o que eles são. Sem dúvida, eles estão num processo de transformação, e esse processo de transformação é algo que, tipicamente, levaria três, quatro, cinco existências.” E vocês vão passar por ele em alguns poucos anos. Não é de se estranhar os desafios no corpo e na mente. Não é de se estranhar que seja tão difícil, mas, novamente, temos uns aos outros. Vocês têm uns aos outros. Vocês têm um enorme apoio dos seres angélicos que trabalham com vocês todas as noites. Todas as noites. Ah, temos discussões e conversas incríveis e chamamos convidados de outras esferas. Falaremos disso depois.

Mas, por enquanto, tento explicar o que é Shaumbra... porque não há nada ao que se associar, vocês não têm uma hierarquia, vocês não seguem líderes específicos que apresentam coisas que vocês devem fazer ou nas quais devem acreditar. Não há obrigações, é tudo muito tranquilo. Não é uma comunidade – Deus do Céu! [Risadas] Vocês não se dariam bem numa comunidade. Vocês não pretendem criar uma. Vocês são muito independentes e isso é uma bênção. Muitíssimo independentes.

Dessa forma, vocês não são um grupo organizado, o que me leva a crer que isso é a Nova Energia. Vocês todos são muito, muito independentes. Realmente, sem dúvida. Alguns não acreditam nisso. Alguns não querem acreditar e este, na verdade, é o problema. Mas vocês são muito, muito independentes. Fortemente determinados. É um dos problemas de se trabalhar com vocês [algumas risadas], e digo isso com todo amor e respeito, mas vocês são mesmo fortemente determinados... [Adamus toca numa pessoa enquanto anda pela plateia.] Sem querer usar ninguém em particular... mas dói a mão só de tocar o seu ombro! [Risadas] Muito, muito independentes, mas ainda assim vocês podem ficar juntos numa disposição como esta, sem regras, sem obrigações a cumprir – é tudo trabalho voluntário – e se reunir desta maneira.

Às vezes, vocês dizem que fazem isso pra tornar o mundo melhor. De fato, isso não importa, importa? Não. O mundo é o que é. O verdadeiro amor... um amor... o tipo de amor que o Espírito tem por vocês... é a aceitação absoluta. O absoluto respeito. Então, não tem realmente a ver com tentar mudar o mundo, embora seja muito, muito satisfatório lançar suas bênçãos, suas dádivas, seus potenciais para a humanidade, sabendo que os outros – se eles escolherem abraçar isso – não vão ter que passar por alguns dos tormentos e infernos pelos quais vocês passaram. Isso faz bem pro coração – saber que o trabalho que vocês fizeram tem um efeito profundo, não necessariamente na Terra... Vocês verão esse efeito na Terra, mas realmente ele ainda não se manifestou aqui do jeito que irá se manifestar. Seu trabalho está tendo efeito nas outras esferas.

As outras esferas... ah, poderíamos passar eras falando sobre elas, mas vocês sabem como elas são. Vocês já morreram antes, então... [risadas] basta se permitirem lembrar por um instante... é uma experiência. É maravilhoso. São tantas as facetas... Faz a Terra parecer muito, muito simples, muito fácil. Porque, nas outras esferas, existe qualquer coisa que vocês queiram, qualquer coisa que possam imaginar, qualquer jogo do qual escolham participar, qualquer realidade.

Sim, vocês podem ir para o céu do outro lado, mas será um de milhões de céus. As igrejas criaram a própria versão de céu e seus membros devotos vão para lá quando morrem, até perceberem que esse céu é um saco [risadas], porque ele se baseia em parâmetros humanos. Setenta e duas virgens? Não acredito! [Risadas] Torna-se chato porque esqueceram de dizer que elas vão ficar sempre virgens. [Muitas risadas] Isso é inferno pra mim! [Mais risadas]

Então, o que é Shaumbra? Eu digo a meus amigos do outro lado que é um grupo de humanos que riem, que vivenciam, que se expandem, que estão saindo de um dos mais importantes e estruturados tipos de qualidades ou atributos que a humanidade já teve: a mente. A mente. E fazem isso com relativa graça e tranqüilidade.

Novamente, sem querer falar mal da mente; ela foi uma criação brilhante de vocês quando vieram para a Terra. Vocês tinham que ter uma mente para lidar com a terceira dimensão, ou como queiram chamar esta realidade, para lidar com esta realidade na Terra. A mente foi desenvolvida para ajudá-los a ficar aqui no corpo físico e fazer o melhor com esta realidade. Mas nós vamos além disso agora. Estamos nos expandindo para algo muito, muito lindo.

Então, Shaumbra é este grupo de pioneiros da Nova Energia, este grupo de seres que viveram muitas experiências aqui na Terra e nas outras esferas, um grupo de pessoas que foram líderes em suas famílias espirituais, líderes em suas famílias espirituais. Aqueles – vocês – que deixaram sua família espiritual para seguirem sozinhos, mas sabendo o tempo inteiro que causariam um impacto profundo naqueles que vocês deixaram pra trás. Um grupo que, nos anos recentes... um grupo... vocês, que, de fato, se desconectaram da família espiritual da qual vieram, quer seja a Ordem de Sananda, quer seja a Casa de Miguel, de Gabriel ou qualquer outra casa onde vocês eram líderes. Vocês, por fim, nos anos recentes, se desconectaram deles, por algumas razões. Vocês precisavam descobrir como era ficar por conta própria, sem carregar a responsabilidade de tentar liberar as energias nas outras esferas. Vocês precisavam se libertar primeiro. Vocês tinham que fazer isso por vocês, não por outra pessoa. Vocês precisavam aprender a se amarem primeiro.

Na verdade, é mais fácil amar outra pessoa, fazer coisas pra elas, estruturar a vida de vocês para os outros – muito mais fácil. Muito mais fácil. Mas quando é hora de fazer isso por vocês, e quando, então, surgem todas as dúvidas, toda a crítica externa, todo o questionamento sobre se vocês são dignos... é quando vocês realmente entram nas energias profundas, entram no seu verdadeiro eu.

Então, eu digo aos seres do outro lado que este é um grupo forte, leal, determinado, apaixonado de anjos que são pioneiros da Nova Energia, sem saber o que ela é. Teria sido diferente se pudéssemos ter dado um livro e dito: “Kathleen, isto aqui é a Nova Energia. Você quer fazer parte dela?” Teria sido muito mais fácil. Mas aqui estão vocês dizendo: “Vou cair dentro. Dane-se tudo, vou entrar nessa Nova Energia.”

Sendo assim, estou muito orgulhoso agora, depois destes dois meses com vocês, desde que Tobias partiu, muito orgulhoso por estar lado a lado com vocês em cada passo do caminho. Eu tenho meu jeito e meu estilo, e faço assim pra movimentar a energia. Faço assim pra deixá-los, às vezes, um pouco com raiva, um pouco chocados, surpresos, um pouco mais leves, quando posso. Mas faço assim porque amo vocês e porque estou curtindo a jornada, provavelmente, mais do que vocês estão. [Risadas] Provavelmente mais.

Então, vamos respirar fundo hoje... enquanto entramos em nossa conversa.


Pakauwahs

Primeiro, vamos falar dos Pakauwahs. Sei que já tivemos essa conversa antes, mas os Pakauwahs são uma extensão de vocês mesmos. São uma criação de vocês. São um aspecto de vocês. Como Cauldre disse mais cedo, sim, foi brilhante de minha parte criar um aspecto não humano, um animal. Por quê? Porque vocês adoram os animais mais do que adoram os humanos. Simples assim. Os animais não têm todas as agendas e as questões que os humanos têm. Os animais são adoráveis. Animais também não falam com vocês usando palavras. Ah, é suficiente pra levar alguém à loucura toda a conversa dos humanos. Os animais se comunicam com o coração – como quiserem chamar – com seu nível de alma, com seu ser interior.

Assim, agora, vocês têm a oportunidade de pegar esse Pakauwah, a energia desse totem – sua energia projetada para esse belo ser – e começar a trabalhar com ela. Qual é a primeira questão com que vocês se deparam? Mary.

MARY: Não sei ao certo se sinto meu Pakauwah perto de mim.

ADAMUS: Ah, exatamente. Exatamente. A primeira questão é sua conexão. Sua conexão. Então, vocês passaram pela experiência de escolher um Pakauwah. Alguns ainda não, e se ainda não escolheram, a propósito, precisam dar uma olhada em seus problemas pra tomar decisões. [Risadas] Fazer uma escolha. Não é tão difícil assim! Isso não é pra ser engraçado. [Mais risadas; Adamus dá uma risadinha.]

É apenas imaginação, é tudo. Então, prestem atenção. Se não escolheram ainda um Pakauwah – qualquer um, uma aranha, tudo bem, qualquer um – vocês, provavelmente, têm problemas pra tomar decisões e talvez isso se baseie no fato de que vocês têm medo de tomar a decisão errada. Vocês não conseguem. Vocês não conseguem tomar uma decisão errada. Tentem. Tentem. Não é nenhum sacrifício, pra começar. [Adamus dá uma risadinha.]

O que acontece agora, e não vou entrar em detalhes quanto à física disso... mas por causa do modo como vocês mudaram sua energia e do fato de que vocês estão indo além de uma realidade de vibração para uma realidade de expansão, vocês não conseguem tomar uma decisão errada. Vocês podem achar que tomaram uma decisão errada, o que parece muito real às vezes, mas, em último caso, o que acontece é que suas próprias energias, sua própria consciência se autocorrige. E vocês podem resistir a isso e fingir que não é assim, mas realmente é. Realmente é. Confiem em mim. Não, na verdade, não confiem em mim. [Risadas] Confiem em si mesmos. Confiem em si totalmente.

Dessa forma, tudo se reequilibra. O importante, como foi dito antes, é que, ao menos, vocês têm um deslocamento acontecendo. Vocês têm esse pêndulo oscilando novamente. Por quanto tempo ele só ficou pendurado, sem fazer nada? Pendurado. E agora está oscilando novamente, mas diferente dos pêndulos normais, ele não vai oscilar somente pra frente e pra trás. Agora ele vai oscilar pra cima e pra baixo, em círculos, para os dois lados ao mesmo tempo. Isso é a Nova Energia. Espantoso – mas apenas se vocês estiverem presos em sua velha mente.

Então, seu Pakauwah é essa extensão de vocês mesmos e é essa energia de vocês. Ele não pertence a ninguém mais. Ele é vocês. Vocês estão conhecendo uma ferramenta básica muito importante da Nova Energia – o gerenciamento das energias. Vocês não estão acostumados a gerenciar sua própria energia. Vocês têm o hábito de se preocupar com ela, se irritar com ela, planejá-la, escondê-la, jogar com ela, mas não gerenciá-la. Daí, vocês criam um Pakauwah, um totem, e se conectam com ele. E é isso que estamos fazendo até agora – nos conectando com ele, sentindo-o.

Ele está aí neste momento. Respirem. Seu Pakauwah está bem aí. Vocês estão bem aí, ele é parte de vocês. Está bem aí.

Há muito tempo ele está numa espécie de modo neutro apenas esperando. Esperando por vocês para dirigi-lo ou guiá-lo para o que fazer. Alguns de vocês fizeram pedidos, deram a ele instruções muito específicas, dizendo: “Fique vigilante o tempo inteiro. Ande comigo nos meus sonhos.” Muitos de vocês fizeram isso. Bem impressionante. “Ande comigo nos meus sonhos.”

Alguns estão usando de forma exagerada seu Pakauwah, dizendo ao Pakauwah pra fazer coisas como criar muito dinheiro ou encontrar um novo companheiro. Seu Pakauwah não vai encontrar um companheiro pra vocês. Ele vai encontrar outro Pakauwah pra ser companheiro dele, mas... [Risadas] E, aí, vocês vão ver o que acontece! [Mais risadas]

Mas o Pakauwah está aí pra ajudá-los a entender como vocês se projetam para outras dimensões, como gerenciam sua energia, como se conectam com aspectos de si mesmos. É uma experiência muito valiosa. Não é uma coisa que devem fazer só de vez em quando ou uma vez por mês quando nos reunimos aqui. Trabalhem com ele diariamente. É maravilhoso. Vocês vão descobrir como é brilhante o Pakauwah.

E se vocês escolheram, por exemplo, um esquilo como Pakauwah, vocês vão reparar outra coisa. O que acontece com o esquilo? Kathleen, não para provocá-la, mas...

KATHLEEN: Ele pode mudar pra uma coisa diferente?

ADAMUS: Isso mesmo. Estão vendo como vocês são brilhantes? Ele pode mudar para uma coisa diferente, e ele mudará. Uma observação interessante sobre a Nova Energia. Só porque disseram para fazermos o Pakauwah um esquilo, vocês vão descobrir que ele se transforma num cachorro ou num urso ou golfinho. Ele começa a se ajustar às suas energias e às energias à sua volta, daí, ele começa a mudar de forma. Vocês podem acabar descobrindo que ele se transforma num humano; ele se transforma numa criatura alienígena. Ele vai percorrer seu passado e seu futuro e começar a pegar os atributos energéticos, e vai ser como um camaleão. Ele vai trocar de forma. Ele vai assumir novos atributos para certamente servir vocês.

Esta é a beleza do Pakauwah. Ele, geralmente, voltará para a forma que vocês inicialmente criaram. Se foi um esquilo, ele voltará para esquilo, até certo momento, quando, então, vai dizer: “Não sou mais um esquilo. Vou evoluir pra outra coisa.” E talvez não seja só para um outro animal. Talvez ele evolua para algo tão diferente que vocês nem mesmo o reconheçam com sua velha mente. Será interessante quando chegarem nesse ponto. Não tentem forçá-lo a se redefinir. Permitam-no assumir essas novas figuras e novas formas. E vocês podem vê-lo com cabeça de animal e corpo de espírito – um corpo não físico. Ele pode fazer todo tipo de coisa estranha.

É todo um caminho dizendo que esperem o inesperado, porque vocês estão na Nova Energia, e a Nova Energia, que diabos, é diferente da Velha e vocês querem que seja assim. E se esta jornada fosse apenas pra continuar na Velha Energia, tentar ficar apenas um pouco mais rico, um pouco mais inteligente, um pouco mais bonito, um pouco mais atraente? Acho que vocês ficariam frustrados, não?

LINDA: Sim.

ADAMUS: Sim, sim. Por favor, digam sim. [Adamus ri.]

Então, vamos reservar um tempo aqui para sentir a energia de seu Pakauwah, para se conectar com ele. Ele tem estado do lado de fora. Tem estado nas outras esferas. Esteve aí o tempo inteiro, com vocês em cada passo do caminho. Ele não se dissolveu, não saiu flutuando pra outro lugar; está esperando por vocês.


Trazendo o Pakauwah para o Lado de Dentro

Vamos dar um rumo diferente para o Pakauwah hoje. Vamos para dentro, para dentro de seu corpo. Vocês dizem: “Bem, como vou encaixar aquele elefantão enorme no meu corpo?” Ah! Ah.

(a) Ele pode mudar e assumir uma forma diferente.

(b) Quem disse que um elefante é maior do que vocês? Quem disse... alguém disse. Alguém disse que elefantes são enormes. Então, vocês pensam: “Ah, não posso colocar esse elefante, meu Pakauwah, no meu corpo. Vou explodir.” Talvez não. Talvez vocês possam se transformar ou transmutar, ou ele possa, ou ambos.

Vocês vão pedir a seu Pakauwah para entrar em seu corpo físico. Por quê? Porque vocês não têm ido lá há um bom tempo. Não têm. Vocês deixam os médicos irem lá. Vocês permitem que sondem diversas partes do seu corpo ou que eles os operem. Mas vocês não têm ido pra dentro de seu corpo físico. Vocês não gostam, necessariamente, de ir lá.

Mas o Pakauwah, que é uma parte de vocês, irá. E o que ele vai fazer? Nada. Não hoje. Mas, quando começarem a aprender com ele, ele vai entrar em seu corpo e ajudar a detectar desequilíbrios que outras partes de vocês conhecem, mas que não estão sendo relatados a vocês; desequilíbrios que têm o potencial de surgir e que ainda não estão lá. O Pakauwah vai ser capaz de entender como seu ser físico, seu ser mental pode estar atraindo o que vocês chamariam de potenciais desequilibrados ou questões de saúde – questões mentais.

Então, respirem fundo. Deixem seu Pakauwah entrar em vocês. Respirem-no.

[Pausa]

A jornada para dentro de si mesmos.

Agora, parem um instante antes que ele vá muito longe. Vamos deixar de lado as noções mentais de como é dentro de seu corpo, porque vocês estão começando a pensar: “Ah, ele deve seguir pela veia número L42?” Vejam bem: “E ficar se mexendo, ele pode?” Vejam: “Meu Pakauwah quer entrar nos meus intestinos? Devo evitar que ele vá para meus ouvidos, meus olhos?” Liberem a parte real imediatamente. Vocês são seres energéticos. Vocês são seres de energia que criaram um corpo físico. Deixem que ele entre em sua energia, não necessariamente no eu físico. Deixem que ele entre no seu eu energético aqui.

Deem permissão a ele, é tudo de que essa parte de vocês necessita, e deixem que perambule. Deixem que ande por aí.

Vocês têm um império dentro de si. A parte física de vocês é um reino magnífico; tem muitos atributos se vocês pensarem em termos de energia em vez de pura biologia. Um dos problemas da ciência moderna: “Se não puder ver num microscópio, não existe.” Mas isso está mudando. Está mudando rapidamente no momento por causa do trabalho que vocês e outros estão fazendo. Há um reconhecimento dos atributos energéticos. Isso vai continuar. Existem grupos... não muitos, mas existem grupos de médicos, metafísicos, que estão realmente começando a entender o fluxo de energia associado ao corpo físico.

Deixem seu Pakauwah entrar bem fundo agora. Deixem que ele vagueie dentro de seu corpo. Não digam a ele pra ir a determinado lugar. Não peçam a ele que cure alguma coisa agora. Simplesmente, permitam-se voltar a se familiarizar com seu corpo. Não esperem ouvir uma voz. Não esperem receber um relatório por escrito. Isto é apenas uma experiência básica com seu Pakauwah.

A propósito, sim, iremos desenvolver outros tipos de aspectos de energia de vocês. Não necessariamente Pakauwahs, mas este é o primeiro nível. Nós vamos desenvolver outras criações para atendê-los, mas vamos fazer esta antes. Vamos fazer realmente essa conexão com o Pakauwah e entender que ele viaja multidimensionalmente. Ele está sempre aí. Pode entrar em seu corpo. Pode alcançar um nível essencial dentro de vocês – o sistema de comunicação do seu corpo.

O sistema de comunicação de seu corpo é uma rede elaborada, ainda que simples, de magnetismo, eletricidade, movimento de energias, muitos tipos diferentes de física, muitos pulsos diferentes emitidos. Mas seu corpo tem esse incrível sistema de comunicação. É ele que permite que vocês façam várias coisas ao mesmo tempo – comer, andar, pensar. O corpo emite pequenos sinais, pequenos pulsos, constantemente. Milhões, milhões deles por segundo pelo corpo inteiro. Não é espantoso que vocês, de fato, não tenham controle sobre isso nem acompanhem tudo isso? Isso acontece sozinho. É um milagre da realidade física.

O sistema de comunicação de seu corpo, geralmente, funciona muito bem sozinho. Mas algumas vezes uma parte cessa a comunicação com outra. O coração já é de conhecimento de todos. Ele deixa de contatar outras partes do sistema de comunicação e, é claro, vocês têm algum tipo de doença do coração ou um ataque. O coração – o coração físico – também está associado ao coração energético. Não é a sua alma, mas ele é, na verdade, parte essencial de seu sentimento e sua percepção. Ele deixa de se comunicar às vezes.

Definitivamente, a comunicação entre a rede de seu corpo e vocês... não vamos chamar de sua mente, mas, sim, de sua consciência... existe uma grande lacuna aí. Entendam, por exemplo, que no sistema de comunicação entre sua consciência e seu corpo se eu bater com força em vocês [Adamus bate em alguém e ri.] Sinto muito, querida. Se eu bato em vocês com força, vocês sabem. O sistema de comunicação entra em ação.

A consciência diz: “Fui atacado por esse Adamus”... com amor, com amor... E ela lhes diz para ficarem alerta. Mas, geralmente, sua consciência está desconectada do sistema de comunicação de seu corpo. O sistema está funcionando neste exato momento, mas está funcionando com baixa energia e muita, muita Velha Energia. E está funcionando a partir da dúvida e do medo.

Em geral – na grande maioria –, os humanos têm medo de seus corpos, porque o corpo gera dor e o corpo morre. Eu teria medo também, se eu fosse vocês. Mas vocês chegaram num ponto em que percebem, antes de tudo, que a dor é uma ilusão, na maior parte das vezes, e que o corpo pode morrer, mas, de fato, a realidade é que vocês tiveram todas essas mortes físicas na Terra em que morreram, algumas vezes, com muita dor, outras simplesmente partiram, mas deixaram seu corpo pra trás.

Na Nova Energia, isso não é necessário. Vocês levam o corpo com vocês. Não que precisem de um corpo do outro lado, mas vocês levam todos os componentes energéticos dele, toda a sabedoria do corpo, contida na carne, que é apenas energia, vocês levam com vocês. Por quê? Bem, por duas razões. Vocês ficam com uma melhor aparência do outro lado. [Risadas] Não, vocês realmente ficam. Seres que nunca tiveram uma existência física na Terra são meio que flutuantes, entendem, são meio tênues. Não são muito definidos, realmente. Vocês veem algumas cores em sua energia, mas eles não são muito definidos.

Se vocês estiveram na Terra, e particularmente se aprenderam a levar o corpo físico junto, vocês são muito definidos. E isso realmente é legal do outro lado. Eles não podem comprar um do outro lado, não importa o que esteja fora de moda. [Risadas] E eles, vejam bem, eles querem um corpo. E, então, vocês riem quando dizem: “É fácil. É só ir lá embaixo no planeta Terra.” [Muitas risadas] “Tenha uma feliz jornada! Vejo você daqui a 10.000 existências!” [Mais risadas]

Então, essa conexão de volta para seu corpo é importante. Se escolherem a ascensão, vocês vão levar o corpo junto. É uma coisa bem melhor de se fazer. Nada pior do que ter seus ossos – vocês são ossos velhos – enterrados no chão. É um caminho certo, um caminho magnético, para puxá-los de volta. Se vocês deixam os ossos no chão e ainda há energia nesses ossos, isso vai ocasionar outra encarnação. Na verdade, essa é, provavelmente, uma das maiores causas da reencarnação, mesmo quando o ser não quer reencarnar. O corpo puxa esse ser de volta – isso e amores rejeitados. [Risadas] Puxa o ser de volta.

Assim, quando vocês o convidam para dentro de si, o seu Pakauwah entra e os ajuda a reconectarem-se com o sistema de comunicação do seu corpo. O sistema de comunicação não fala uma linguagem humana. Não fala francês, infelizmente. Não fala inglês. Mas cria uma dinâmica, um padrão e uma familiaridade, e eu quero que vocês voltem a ter isso. Quero que vocês voltem a se familiarizar com seu corpo energético.

Novamente, não comecem a estudar livros de biologia. Vocês não precisam entrar pra faculdade de medicina. Tem a ver com a energética do corpo e a capacidade de se reconectar com essa parte do corpo que sempre soube e ainda sabe se reequilibrar sozinha. Para reconstituir extremidades... elas crescem e isso é comprovado cientificamente. Mas, mais que qualquer outra coisa, energeticamente, sem dúvida, elas estão lá. Isso foi esquecido, trancado a sete chaves, considerado um dos grandes mistérios. E não é. Não é. Tem a ver com dar permissão e se reconectar com vocês mesmos. Seu corpo se cura sozinho.

Agora, se fizerem isso só pra ficarem alguns quilos mais magros ou parecerem um pouco mais jovens, vocês podem querer reconsiderar essa questão. Mas se fizerem isso pra reparar ou rejuvenescer o sistema biológico pra que possam passar mais alguns belos anos na Terra, aproveitando o que esqueceram de aproveitar da vida anterior até esta – das mil vidas anteriores até esta –, então, seu corpo dirá: “Isso! Isso!” E vocês vão respirar fundo e dizer: “Estou aqui pra jogar. Estou aqui pra aproveitar. Estou aqui pra me divertir e ser abundante – abundante em todos os sentidos, não apenas em relação a dinheiro, mas abundante em todos os sentidos.”

Este é o caminho natural. O outro caminho – do sofrimento, da falta, da doença – não é natural. Não é natural. É, de fato, uma distorção, é uma mentira e consome mais energia viver desse jeito do que viver como um ser soberano.

Então, respirem fundo e abençoem seu Pakauwah por entrar em seu corpo energético e conectar-se com a rede de comunicação de seu corpo. O seu Pakauwah pode, agora, começar a conectar esse sistema ao você consciente neste momento do Agora. Não esperem que, de repente, a saúde mude. Saibam que ela vai mudar. Saibam que ela vai mudar.

Tem alguém bem aqui, se você não se importa – por favor, levante-se – , alguém bem aqui que pode lhes falar que digo a verdade. [A plateia aplaude quando Garret Annofsky se levanta.]

Agora, Garret pode colocar em outras palavras, diferentes das minhas, mas ele sabe que precisava voltar pra dentro de si. Sim, ele teve assistência de médicos e o amor de Andrah, que ainda não mudou de nome. [Risadas] Ele teve o amor dos Shaumbra. Mas teve que voltar pra dentro, sabendo que tudo está lá. Tudo está lá. Ele não tomou nenhum medicamento exótico ou estranho. Ele não tomou nenhuma água esquisita. Ele não entoou mantras nem cânticos, e não chorou muito também. Ele não ficou me chamando; só me chamou pra jogar um pouco de xadrez da Nova Energia. Isso é uma coisa maravilhosa. Ele foi pra dentro de si. Ele manteve tudo muito simples. “Eu sou o que sou e sempre serei.” Isso disse algo à rede deste corpo e seu sistema de comunicação. Ele não trabalhou com um Pakauwah como vamos fazer, mas ele foi pra dentro e disse: “Eu Sou o que Sou.” E seu corpo ouviu. Obrigado.

GARRET: Recebi o mesmo memorando que você! [comparando a cor dos paletós]

ADAMUS: Sim, sim. [Adamus ri.] Mas no meu dizia: “Vista um paletó caro.” Sei, não [falando do paletó de Cauldre], este parece o de um garotão indo acampar! [Muitas risadas; Adamus dá uma risadinha.]

Então, vamos respirar fundo e realmente sentir a essência de seu Pakauwah. Ele é vocês. É um aspecto. É seu brilho. É seu brilho. Vocês.

Agora, quando ele entrar e trabalhar pra vocês, e quando trabalhar pra vocês no estado de sonho e o tempo inteiro, permitam que ele comece a trocar de forma, se transformar e mudar. Novamente, não esperem que ele fale com vocês, mas isso não significa que não irá se comunicar. É uma grande diferença. Conversar é um meio de comunicação muito, muito rudimentar. Extremamente rudimentar. Seria a diferença entre uma pessoa cantando fora do tom e uma sinfonia imensa com centenas de músicos e cantores talentosos atuando juntos. Vejam, a linguagem é plana. Antigamente, não era tanto – nos tempos de Atlântida, Lemúria, a linguagem cantada –, mas agora a linguagem é plana. Teremos Cauldre cantando aqui em breve. [Risadas] Cantaremos um Shoud inteiro juntos! Você vai sair da zona de conforto. Cauldre, com certeza.

Agora, respirem fundo e simplesmente deixem o Pakauwah fazer a parte dele. Façam a parte de vocês. Façam a parte de vocês.
 

 ....continua...